lunes, 2 de febrero de 2015

Mafalda - Minha história + Biografia

Como muitos sabem, sou professora de espanhol e minha história com esta menininha fofa, cômica e crítica ao mesmo tempo já é antiga. Assim como na vida de muitas outras pessoas, Mafalda está presente desde meus primeiros anos na escola, tornando-se mais intensa depois da faculdade.
Consequentemente, Mafalda é presença confirmada em minhas aulas, seja por meio de tiras, desenhos, frases, livros, vídeos e até mesmo em muitos de meus acessórios como camiseta, adesivos de unha etc. Inclusive já ganhei desenhos dos meus alunos da Mafalda e sua turma, tamanha é minha paixão que só aumenta cada dia.
Vejamos abaixo:
Toy Mafalda e Eu (infelizmente não é meu).
QUINO. Toda Mafalda. Buenos Aires: Ediciones de la Flor, 2001, 659 pag.
Este livro contém todas as tiras de Mafalda, da primeira a última. Ele reúne todos os livros lançados, daí o título: "Toda Mafalda". Em sua contra capa contém a seguinte descrição: "Este libro contiene de la primera a la última tira + Mafalda inédita + Al fin solos + Y digo yo + ¿A dónde vamos a parar? + Mafaldas (casi) privadas + Mafaldas Públicas + Mafaldas ineditísimas = Toda, pero toda toda Mafalda (Hasta el cierre de esta edición.) 
 
Um livro com mais de 600 páginas, com todas as tiras de Mafalda, 100% originais e todo em espanhol... Sim, é incrível! =)

Camiseta - Mafalda
Possivelmente, você não verá esta camiseta em nenhum outro lugar a não ser aqui. Isso porque ela foi personalizada especialmente por e para mim, rs. A usei na exposição "O mundo segundo Mafalda" em São Paulo e fez o maior sucesso. Obviamente, que se você gostou e quer fazer uma igual, fique a vontade.
Adesivos - Mafalda - A Cara do Glamour.


Encontrei estes adesivos de unha por acaso na internet e é claro, me apaixonei a primeira vista. Comprei duas cartelas com 10 adesivos em cada cartela e cada uma delas custou mais ou menos R$ 3,00. São um pouco complicados e delicados de colocar pois é preciso molhá-los. Por isso encontre uma manicure bem paciente, rs. No momento, não há adesivos disponíveis no site, mas creio que em breve haverá. 
Ganhei os desenhos abaixo de um dos meus alunos, no ano passado. Ele desenhava qualquer coisa, muito bem. Ficaram muito fofos, não? 
Embora Mafalda seja uma personagem muito conhecida no Brasil, principalmente por sua presença nos livros de português, quando falamos apenas seu nome fora de um contexto, muitas pessoas pensam, pensam e nada lhes vem a mente. Mas, quando mostramos uma tira, imagem ou algo visual, aquele “ah sei”, logo surge na conversa. A personagem ganhou espaço em diversos países e seus quadrinhos foram traduzidos a 30 idiomas, inclusive ao português. Talvez por este fato, muitas pessoas não saibam que a personagem é argentina.
Mafalda foi criada em 1964 pelo genial Joaquín Salvador Lavado Tejón (Quino), conhecido por seu traço fino e desenhos originais 100% em preto e branco. [Veja a biografia completa de Quino aqui]. Em 2014, a personagem completou então, 50 anos de existência. E por este fato, meus alunos do CELEM – Espanhol, fizeram um trabalho, como se fosse uma pequena exposição, mostrando cada personagem, suas características e um resumo do surgimento de Mafalda. Para isto, trabalhamos ao longo do ano, com tiras para complementar conteúdos, inclusive gramaticais, vimos o filme “Mafalda, la película”, slides etc. Foi muito legal ver o riso diante das anedotas de Mafalda e sua turma. Você pode ver estes trabalhos aqui.
A garotinha de apenas 6 anos de idade, que ama aos Beatles, tem uma visão humanista da vida e questiona diversos valores impostos pela sociedade e, mesmo depois de 50 anos de existência, a personagem possui uma legião de fãs por todo o mundo e serve como referência para reflexões atemporais, que se encaixam tanto para a época em que foi criada, quanto para os dias de hoje.
 E, por causa da genialidade de Quino em abordar assuntos polêmicos como desigualdade social, feminismo, preconceitos, educação, globalização e tantos outros, de modo peculiar, cômico e crítico, as tiras de Mafalda têm lugar garantido em muitas provas de vestibular e concursos públicos, seja por meio de questões ou até mesmo em redações; como você pode observar nesta prova do vestibular da UFPR em 2014. E certamente estão entre as questões mais difíceis, pois é algo de cunho interpretativo, para fazer a cabeça pensar.
 Mafalda definitivamente não é uma criança comum. Seus gostos estão relacionados a ver e ouvir o noticiário na TV e rádio, ler jornais, questionar, pensar, preocupar-se com o mundo. Ela consegue fazer o que muitos adultos não conseguem, amar e odiar a televisão. Ou seja, ela sabe filtrar o que é bom e construtivo mostrado na TV, daquilo que não lhe trará nenhum benefício.
 Desde 1964, Quino já apresentava em Mafalda, aquilo que ainda hoje se faz presente em nossa sociedade, a cultura de massa, feminismo, corrupção, desigualdade social, desigualdade de gêneros, direitos das crianças e adolescentes etc. Daí sua relevância para a educação e presença indispensável em muitas aulas. Desta forma, os quadrinhos de Mafalda são destinados principalmente a adultos.
O humor ácido apresentado em Mafalda apresenta um pouco do panorama histórico, social e econômico encontrado nos anos 60 não só na Argentina, mas na América Latina e quiçá no mundo.
                  Um pouco de biografia
Texto abaixo foi traduzido ao português por Telciane Machado 

Mafalda, a menina de cabelos negros que odeia sopa e está em contradição com os adultos, foi publicada pela primeira vez em 29 de setembro de 1964 no semanário “Primera Plana de Buenos Aires”. Em 9 de março de 1965, com a passagem das tiras cômicas al jornal “El Mundo” (em que Quino publicava seis tiras por semana), inicia-se o incontrolável êxito da personagem, que cruza as fronteiras nacionais para conquistar a América do Sul e logo se estende a Europa, ganhando uma posição de liderança no imaginário coletivo.
Jorge Álvarez Editor publica o primeiro libro que reúne as primeiras tiras em ordem de publicação. Sai na Argentina para o Natal e em dois dias se esgota sua tirada de 5.000 exemplares.
 Na Itália, se edita em 1969 o primeiro livro, “Mafalda la Contestataria” (Mafalda a Contestatária), com a apresentação de Umberto Eco, diretor da coleção.
O grande êxito e fama internacional não impediram que Quino, em 25 de junho de 1973, tomasse uma decisão para alguns, desconcertante: não desenhar mais tiras de Mafalda, pois já não sentia a necessidade de utilizar a estrutura expressiva das tiras em sequência. No entanto, o interesse por Mafalda se manteve inalterado, de fato, seus livros continuaram sendo impressos e Mafalda seguiu sendo eleita para acompanhar diversas campanhas sociais (UNICEF, la Cruz Roja Española, el Ministerio de Relaciones Exteriores de la República de Argentina).
Dali em diante, Quino continuou publicando semanalmente suas tão conhecidas páginas de humor que foram se agrupando na coleção de seus livros de humor.
Em 1993 a empresa espanhola D. G. Produções S. A., em coprodução com Televisões Espanholas produz 104 episódios de Mafalda em desenhos animados de 1 minuto de duração dirigidos por Juan Padrón no ICAIC. As caricaturas foram difundidas na Itália pela RAI2 e na Argentina em duas oportunidades: primeiro pelo antigo canal 11 e vários anos depois pelo canal “Encuentro”.
  
Para ver este bibliográfico completo em espanhol, clique aqui.